domingo, março 30, 2008

Tragédia Matemática

 Num certo livro de Matemática, um quociente apaixonou-se por uma incógnita. Ele, o quociente, produto de notável família de importantíssimos polinômios. Ela, uma simples incógnita, de mesquinha equação literal. 
Oh! Que tremenda desigualdade. Mas como todos sabem, o amor não tem limites e vai do mais infinito ao menos infinito. 
Apaixonado, o quociente a olhou do vértice à base, sob todos os ângulos, agudos e obtusos. Era linda, uma figura ímpar e punha-se em evidência: olhar rombóide, boca trapezóide, seios esféricos num corpo cilíndrico de linhas senoidais. 
- Quem és tu? Perguntou o quociente com olhar radical. 
- Eu sou a raiz quadrada da soma do quadrado dos catetos, mas pode me chamar de Hipotenusa. Respondeu ela com expressão algébrica de quem ama. 
Ele fez de sua vida uma paralela à dela, até que se encontraram no infinito. E se amaram ao quadrado da velocidade da luz, traçando ao sabor do momento e da paixão, retas e curvas nos jardins da quarta dimensão. Ele a amava e a recíproca era verdadeira. Se adoravam nas mesmas razões e proporções no intervalo aberto da vida. 
Três quadrantes depois, resolveram se casar. Traçaram planos para o futuro e todos desejaram felicidade integral. Os padrinhos foram o vetor e a bissetriz. Tudo estava nos eixos. O amor crescia em progressão geométrica. 
Quando ela estava em suas coordenadas positivas, tiveram um par: o menino, em honra ao padrinho, chamaram de Versor; a menina, uma linda Abscissa. Ela sofreu duas operações. 
Eram felizes até que, um dia, tudo se tornou uma constante. 
Foi aí que surgiu um outro. Sim, um outro. 
O máximo divisor comum, um freqüentador de círculos viciosos. O mínimo que o máximo ofereceu foi uma grandeza absoluta. Ela sentiu-se imprópria, mas amava o Máximo. 
Sabedor desta regra de três, o quociente chamou-a de fração ordinária. Sentiu-se um denominador comum, resolveu aplicar a solução trivial: um ponto de descontinuidade na vida deles. 
Quando os dois amantes estavam em colóquio amoroso, ele em termos menores e ela de combinação linear, chegou o quociente e num giro determinante, disparou o seu 45. Ela foi transformada numa simples dízima periódica e foi para o espaço imaginário e ele, foi parar num intervalo fechado, onde a luz solar se via através de pequenas malhas quadráticas.

sábado, março 29, 2008

Suzuki Swift

O meu Suzuki...

O meu carro desde há dois anos, é um Suzuki Swift, adoro-o!!! É lindo, desportivo e como adoro conduzir transmite-me confiança... mas estava a tornar-se pequeno.

Na Semana passada ganhei coragem e... lá fui ao Stand da Suzuki..... na próxima 4ª vou trocá-lo por um SX4.

Suzuki, claro!!!

Para a próxima talvez um Grand Vitara. :)))))

quinta-feira, março 27, 2008

sábado, março 22, 2008

Tricot

meu 1º barrete a sério

Segui a receita da Rosa e saiu maravilhosamente. Muito Obrigada Rosa

Mistério

Desenhei-a estou a utilizar o mesmo tipo de lã.... vamos lá ver como sai!

quinta-feira, março 13, 2008

Manta de cores

Manta feita pela minha mãe

Manta cheia de cores feita pelas maravilhosas mãos da minha querida mãe.

Obrigada Mãe

terça-feira, março 04, 2008

Lindas e confortáveis

Mais uns bem confortáveis

Meus... pronto e do Feijão que adora pegar nelas e passea-las pela casa.